Disable Preloader

Relatos de Parto

Eduardo: Relato de um pai sobre a experiência transformadora do parto
Relato de um pai sobre a experiência transformadora do parto

Sempre fui condicionado à praticidade e na minha visão, o nascimento de uma criança não precisava ser diferente: Marca a data, faz a cesárea e pronto. Tudo certo! Foi assim com nosso primeiro filho e deu tudo certo. Hoje eu me pergunto: tudo certo para quem? Para a criança e para a mãe, definitivamente não.

Enfim, antes mesmo de "engravidarmos" da Luísa, minha esposa já comentava que não faria uma nova cesárea, a não ser que fosse realmente necessário. Conversávamos algumas coisas sobre o parto normal e para mim aquilo parecia uma loucura, mas então veio a gestação da Luísa.
Conversamos muito e embora eu fosse um tanto quanto reticente, teríamos um parto normal. Neste ponto, a Livia já estava estudando e buscando conhecimento sobre o parto normal e me falava algumas coisas.

Mas um dia a luz se fez sobre mim... foi quando tudo mudou. Fomos a uma roda de conversa no Maternati cujo tema era "Mitos e medos do parto normal". Acompanhei todo o bate papo e me interessei pelo tema, passando a pesquisar e aprender mais.
Decidido! A Luísa chegará ao mundo no tempo dela. Quando ela estiver pronta.

Conforme o tempo passava, a ansiedade pela chegada da nossa princesinha aumentava. A Carol (doula) e a Regina (EO) foram espetaculares, nos dando informações e explicando como as coisas aconteceriam quando chegasse o momento. Isso foi fundamental para que eu mantivesse a calma no momento do parto.

Mas enfim, chegamos ao nono mês da gestação e a Luísa estava pronta, podia nascer a qualquer momento. A Livia já vinha tendo as contrações de treinamento a algum tempo, mas naquele dia estavam mais fortes. Me lembro que fomos deitar e as contrações estavam recorrentes e mais fortes. Havia sido um dia cansativo para mim e então, por volta da meia noite, eu tentei dormir um pouco, mas cochilos curtos. Me lembro que em certo momento as contrações estavam fortes e nos sentamos no sofá, de modo que me permitia abraçar a Livia e ampará-la durante as contrações. As contrações estavam sendo monitoradas pelo aplicativo do celular e a Carol e a Regina sendo informadas pelo telefone.

Embora eu já soubesse que a Luísa estava chegando, eu me mantive calmo. Por volta das 05h30min a bolsa rompeu... era o aviso definitivo de que a Luísa ia chegar. Um misto de felicidade com ansiedade tomou conta. Por volta das 06h a Regina e a Carol chegaram. Após o exame de toque, que foi devidamente permitido pela Livia, a enfermeira nos falou que a Livia já estava com 6 centímetros de dilatação e que estava na hora de ir para o hospital. Eu, que até então estava calmo, deixei a ansiedade tomar conta e comecei a andar de um lado para o outro (rsrsrsrs) e arrumar as coisas para irmos.

No caminho para o hospital a enfermeira foi no banco de trás junto com a Livia, que a cada balançada do carro me mandava ir devagar (embora eu estivesse a 30 km/h rsrs)... mas correu tudo bem.
Chegamos no hospital e a Livia foi imediatamente encaminhada para uma sala especialmente designada para partos normais, sendo acompanhada pela doula e EO. Eu precisei cumprir as burocracias de praxe, mas nada muito demorado e uns 15 minutos depois eu já estava junto com a Livia.

Neste momento eu já estava calmo pois as rodas de conversa no Maternati e as conversas com a equipe já haviam me dado a noção de como as coisas aconteceriam.
Fiquei o tempo todo ao lado da Livia, mas até certo momento minha função era mais a de acompanhar... a equipe preparou todo o ambiente, com meia-luz, óleos aromáticos e massagens. As contrações continuavam fortes, mas por volta das 08h, 8h30min, a coisa "ferveu" rsrs... As contrações ficaram mais fortes e já entrávamos na fase final do parto. SIM, entrávamos! A partir desse momento, a minha participação, que era apenas moral, passou a ser física também. Seguindo instruções da equipe, a Livia me abraçava pelo pescoço e literalmente se pendurava, pois isso ajudava a Luísa a descer e encaixar... foi uma sequência de "penduradas". No momento certo, a Livia pediu para ir para a banqueta de parto. A equipe estava toda ali... Carol (doula), Regina (EO), Dr. Fernando Seara (GO) e a Dra. Mariluce (pediatra). A Regina e o Dr. Fernando sentados no chão esperando e verificando os batimentos da Luísa.

Neste momento eu estava sentado atrás da Livia e abraçados entramos em um momento só nosso (é a Partolândia???). Embora a equipe estivesse na sala, aquele momento foi meu, da Livia e da Luísa... eu conversava com ela e dizia que a Luísa estava chegando, que faltava pouco e que logo teríamos nossa princesinha conosco, para que ela aguentasse firme. Sim, passamos pelo breve "momento da covardia" (aprendi isso nas rodas de conversa do Maternati rsrsrs), quando a Livia dizia que não ia conseguir, e acredito que este é o momento mais importante para o pai, que está ali para amparar e lembrar que é possível sim.

Ainda na banqueta, as contrações deram uma leve parada, e então estimulei a Livia a se levantar... estava na hora! a Luísa já estava ali... foram duas contrações em pé, sendo amparada por mim e enfim a Luísa chegou! Das mãos do Dr. Fernando diretamente para o colo da Livia. Que momento mágico, impossível não se emocionar! Lá estava a nossa tão sonhada e esperada princesinha, no colo da mamãe desde seu primeiro minuto de vida, como deve ser.

As lições que ficam disso tudo? Que não podemos nos levar pelo senso comum e pela imposição da cesárea a qualquer custo. O parto é um momento único. E que a busca pelo conhecimento é essencial, e neste ponto a equipe do Maternati foi essencial, sobretudo para mim.

Compartilhar: